Estádio Ulrico Mursa

Estádio Ulrico Mursa

O estádio Ulrico Mursa, casa da Portuguesa Santista, é um patrimônio não só do clube, mas também da cidade de Santos e da América Latina. A história explica por quê.

Após a fundação da Briosa, em 20 de novembro de 1917, as atenções do clube ficaram voltadas a adquirir um espaço para a prática do futebol. Ulrico Mursa, engenheiro carioca e fundador da Companhia Docas de Santos, doou a área na Avenida Pinheiro Machado para proporcionar lazer aos habitantes da cidade, em especial às famílias de origem portuguesa.

O espaço cedido estava coberto de mato e pedras, mas isso não era problema para os “canteiros” portugueses, pois, após um árduo dia de trabalho na pedreira do Jabaquara, eles iam para o local onde seria construído o campo. Os trabalhadores ficavam até tarde da noite limpando a área e quebrando as pedras com certo sacrifício. Não descansavam nem aos domingos, nem em dias de chuva ou de muito sol. No dia 17 de fevereiro de 1918, o campo já estava pronto para ser utilizado. Para a organização e demarcação, foi colocada uma tabuleta com o nome Associação Atlética Portuguesa na entrada principal do clube. Começaria ali o primeiro treino, que foi realizado com uma grande festa entre os que estavam presentes.

Em 1920, a prioridade foi incrementar o campo de futebol com grama e cerca, com a permissão de Ulrico Mursa e Afonso Serra. Logo após, construíram uma arquibancada de madeira, quiosques para a imprensa, autoridades e bar, sanitários e vestiários.

No dia 15 de dezembro daquele ano, já na gestão de Manoel Mariano, a Associação Atlética Portuguesa inaugurava com festa a praça de esportes Ulrico Mursa, em merecida homenagem a um de seus maiores benfeitores. E para marcar o grande dia, foi realizado o primeiro jogo no estádio recém-batizado, quando a Portuguesa enfrentou o Sírio Futebol Clube e venceu por 6 a 0. Desde então, a Briosa obteve grandes vitórias ao longo do tempo, que culminaram não só em títulos, mas também na ampliação do clube.

Inauguração da arquibancada de concreto e do sistema de iluminação

Cadeiras cobertas das arquibancadas sociais do estádio Ulrico Mursa

A Portuguesa ganhou destaque em 1932, na gestão de Eduardo Costa Lima, quando entregou a primeira arquibancada de concreto da América Latina. Seis anos depois, em 1938, a Briosa seria novamente pioneira ao ser o segundo clube da cidade a dispor de um sistema de iluminação, graças à “Campanha do Vagalume”, em que todos os dirigentes, conselheiros, sócios e simpatizantes do clube doavam lâmpadas de 1500 watts cada, construindo então uma torre de 31 metros e 80 centímetros.

Infelizmente, devido a uma crise financeira na década de 1940, as torres foram retiradas e vendidas. Houve uma nova tentativa, em 1958, para fixar a iluminação no estádio, realizada por meio da “Campanha do coração em prol da iluminação”, onde foram construídas torres de cimento armado.

Ao longo dos anos, o complexo atlético da Portuguesa passou por algumas reformas, melhorando toda sua estrutura. Na gestão de Carlos Alberto (1995/1996), a arquibancada foi reformada, tendo sua capacidade para três mil torcedores. Novas salas para a secretaria de futebol e diretoria de futebol foram construídas, e outras melhorias também foram realizadas.

Atualmente, o estádio Ulrico Mursa comporta 6.072 espectadores, que podem assistir às partidas escolhendo entre ingressos de arquibancada, arquibancada social e cadeiras cobertas.